GUIA DE LEITURA

Se você me perguntasse quais textos ler, eu diria para CLICAR AQUI e achar uns 20 e poucos que eu classifiquei como os melhores. Mas vão alguns de que eu particularmente gosto (e que fizeram algum sucesso):

Caritas et scientia
(as saudades da minha escola)
A-Ventura de Novembro
(o retrato de um coração partido)
Vigília
(os sonhos nos enganam...)
Sairei para a boate e encontrarei o amor da minha vida
(ou "elucubrações esperançosas")
(a afeição por desconhecidos)
A tentação de Mãe Valéria
(trago a pessoa amada em três dias)
A nostalgia do que não tive
(a nostalgia do que não tive)

domingo, 29 de abril de 2007

RAPIDINHAS 4

ESPECIAL CRIMINALIDADE.

SINAL DOS TEMPOS
Vinha conversando com o taxista, quando surgiu o assunto criminalidade. Ele disse que já havia sido assaltado muitas vezes, mas que já havia bastante tempo desde o último assalto: dezembro de 2006.

ESSAS COISAS...
Assistia a TV, coisa que raramente faço, quando apareceu um repórter ao lado de alguns elementos com a face borrada. Em seguida, ele disse: "estão aqui os menores que foram apreendidos pela polícia". Ele não disse isto, mas eu concluí que as apreensões do dia juntaram-se às armas e drogas que serão destruídas em breve no Aterro do Flamengo. Bem que muitos gostariam.


EGOÍSMO SALUTAR
Roubaram de um amigo meu, além da paz e de algum dinheiro, o MP3. Abordaram-no de bicicleta em Ipanema e ele teve de entregar tudo, sob pena de levar um tiro. E ele entregou aquela caixinha musical recheada de preciosidades como Jethro Tull, Muse, Pink Floyd e outras maravilhas.
Eu não quero, de jeito algum, que aquele energúmeno se deleite nos mesmos sons que me fascinam. Não quero que ele fique exuberado com os solos fantásticos do Pink Floyd, nem com a flauta contagiante do Jethro Tull. Não quero! Imagina se ele vai em direção à próxima vítima assobiando Bourée, crássico do J.T.? Não dá, é quase como ver, ou melhor, ouvir o paraíso antes de chegar ao inferno.

PESADELO
Sonhei que estava andando por Copacabana com minha máquina fotográfica. Sabe-se lá por que, estava com ela na mão. Caminhava reto, quando me aproximei de um grupo de meliantes, tentando esconder a máquina. Fazia uma força incrível, mas não conseguia colocá-la em sua respectiva bolsinha. Eles viram a máquina e me lançaram um olhar diferente, algo como "olha o cara aí". Apertei o passo, mas eles vieram atrás, e depois ficaram me circulando em espiral, cada vez mais se aproximando de mim e aí não sei mais o que aconteceu. Foi mal, gente.

VONTADE
Gostaria de ter um rifle de longo alcance, com aqueles scopes potentes, para ficar o dia inteiro plantado em algum lugar, esperando a hora certa de estourar a cabeça de algum pilantra que aterroriza essa cidade. E já tem dois anos que não jogo Counter-Strike!

REGIME SEMI-ABERTO
Eu e meus amigos vivemos em regime semi-aberto. Habitamos o complexo penitenciário Zona Sul, cada um em pavilhão (Copacabana, Ipanema, Leblon, ...) e respondemos ao artigo I do Código Quemal Brasileiro: possuir mais dinheiro que o necessário para fazer um lanche. No entanto, temos a grande regalia de poder sair para estudar durante a semana, sempre sujeito a algum tipo de coerção das forças superiores, como furtos, ameaças, seqüestros-relâmpago, entre outros. Mas é preciso voltar para a cadeia antes das 10, sob pena desses processos coercivos se acentuarem, chegando a custar a nossa vida. No fim-de-semana, temos o banho de sol, o banho de chuva (eita tempo maluco!) e as visitas íntimas. Mas o horário para voltar ao cárcere permanece. Estamos presos sem condenação formal e não sabemos qual será nossa pena. Tem alguns que acabam levando pena de morte ao acaso (convencionaram chamar de bala perdida), mas enquanto isso ou outra coisa não acontece, parece que estamos sob prisão perpétua.

(Ouvindo: Banda - Musica)

7 comentários:

Mitidieri disse...

prisioneiros fa liberdade da zona sul
q contradição né
ah eh: quando vc arranjar um desses rifles ve se me compra um =D

matheus disse...

felipe drummond, o cara
hahahaha
rapaz, parabens pelo blog, esta cada dia melhor

Sweet disse...

Era uma vez um caderno usado por deuses da morte para anotar os nomes e causas de morte de humanos. Quem tem seu nome escrito lá, morre instantes depois. Acontece que um caderno desses foi parar na mão de um humano, que resolveu testá-lo. No momento, era transmitido na televisão um sequestro ao vivo, numa escola onde várias crianças eram feitas de reféns. Quando o nome do sequestrador foi divulgado, esse humano, sem hesitar, escreveu-o no caderno e esperou alguns instantes. Depois desses instantes, as crianças foram filmadas correndo e gritando que o sequestrador havia morrido. Desse momento em diante, o humano decide utilizar o caderno para salvar o mundo dos seres de má-índole, matando-os. A única pena para ele por usar o caderno é o peso de saber que tirou uma vida, mas isso não parece um problema de fato. O humano agora deseja ser o Novo Deus, que decide quem vive, quem morre, quem é bom e quem é mau.


A diferença é a arma: de livro para rifle, mesmo objeto muitas vezes usado para cometer o crime que você condena.

Não, não se iguale a eles. :/

mirella disse...

Felipe adorei esses primeiros textos, admiro sua capacidade de se expressar, de relatar o cotidiano, parabéns!
Quanto aos outros textos, lerei outro dia, espero que não se incomode.

edson boia disse...

Muito maneira a sua crônica sobre o consultório médico. Gostaria de fazer duas observações: Caras, tudo bem, é de amenidades; mas a Veja é uma revista de venalidade. Outra coisa, você é um sujeito de sorte – marcou a consulta às três e foi atendido às três! Manda aí o endereço do seu médico que isso é coisa raríssima. Claro que há casos compreensíveis como o médico cirurgião que ficou preso no hospital por conta de um paciente que estava mal; mas, marcar um paciente a cada dez minutos é falta de respeito mesmo.
Abraço
do Boia.

30&Alguns disse...

fazia um tempo que não passava por aqui, sempre ótimos textos...

Julia disse...

Nossa essa historinha eh do Death note =P (para sweet)

Olha só Felipe assitindo tv que milagre! Boas análises...mas sinceramente ja li melhores =/
Gostei da foto ;P
Beijão te amo
;*