GUIA DE LEITURA

Se você me perguntasse quais textos ler, eu diria para CLICAR AQUI e achar uns 20 e poucos que eu classifiquei como os melhores. Mas vão alguns de que eu particularmente gosto (e que fizeram algum sucesso):

Caritas et scientia
(as saudades da minha escola)
A-Ventura de Novembro
(o retrato de um coração partido)
Vigília
(os sonhos nos enganam...)
Sairei para a boate e encontrarei o amor da minha vida
(ou "elucubrações esperançosas")
(a afeição por desconhecidos)
A tentação de Mãe Valéria
(trago a pessoa amada em três dias)
A nostalgia do que não tive
(a nostalgia do que não tive)

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

o antes.

ele estava decidido que ia pegar o telefone e ligar.
já conseguira o número com uma amiga.
já conseguira coragem com um amigo.
e já conseguira conseguir consigo mesmo.

tanto lera o número no papel
que já o sabia de cabeça.
e já quase estava com dor de cabeça.

ia ligar, mas não sabia o que falar.
convidá-la para ir ao cinema...
ver o último filme do woody allen?
quem sabe o teatro?
até estava com a filipeta de desconto!

podia chamá-la para ir a praia...
mas e se ela estivesse numa "má fase"?
então pensou num flash...
e se ela estiver de TPM?
receberá um fora de uma fera?

domado pela própria dúvida,
resolveu apostar na própria intuição.
as palavras na hora viriam
e tudo seria lindo, como acontecem nos filmes.

ele estava mesmo decidido que ia pegar o telefone e ligar.
e se o telefone dela estivesse desligado?
e se o número fosse errado e desse engano?
toda aquela angústia para nada...

pensou e pensou.
ligou a TV para dar uma relaxada, mas a coisa estava difícil.
foi à geladeira beliscar qualquer coisa.
brincou com a cachorrinha que queria qualquer atenção...
ela tão esperta que já até sentia uma pontinha de ciúmes.

enfim, pegou o telefone na mão.
discou o número, algarismo por algarismo.
dois. cinco. três. quatro. quatro. três. três....
ai caramba, o último número era um quatro ou um nove?

fez unidunitê... deu nove.
apertou o botão que faltava...







e ligou.

4 comentários:

Gabrielle disse...

Que interessante o seu texto! Vai ter continuação???


Beijo!

Alvaro disse...

Pra mim o melhor dos textos recentes. Achei o título particularmente pertinente: o antes termina com o discar do último número. Termina a angústia. O que vem depois não cabe mais no poema.

Enfim, isso foi só pra lembrá-lo que pode-se sempre interpretar um texto sem saber seu contexto. E pra criar rixa também, claro. =P

Abraço

samanta fonseca disse...

belo texto. me deixou curiosa pelo desfecho.

Thadeu Wilmer disse...

Duas coisas:

1) "e já conseguira conseguir consigo mesmo."
GENIAL.

2) "dois. cinco. três. quatro. quatro. três. três...."
...três! A mulher era quase os Classificados do Globo? hahahahaha