GUIA DE LEITURA

Se você me perguntasse quais textos ler, eu diria para CLICAR AQUI e achar uns 20 e poucos que eu classifiquei como os melhores. Mas vão alguns de que eu particularmente gosto (e que fizeram algum sucesso):

Caritas et scientia
(as saudades da minha escola)
A-Ventura de Novembro
(o retrato de um coração partido)
Vigília
(os sonhos nos enganam...)
Sairei para a boate e encontrarei o amor da minha vida
(ou "elucubrações esperançosas")
(a afeição por desconhecidos)
A tentação de Mãe Valéria
(trago a pessoa amada em três dias)
A nostalgia do que não tive
(a nostalgia do que não tive)

quinta-feira, 12 de outubro de 2006

O mundo e os gordinhos.

Estava eu no ônibus, absorto em meus pensamentos, quando me toquei de que eu havia deixado de ser uma pessoa observadora. Pois é verdade: de uns tempos para cá, as coisas acontecem e muitas vezes eu não as percebo. Entretanto, na hora em que tive esse estalo, a consequência foi natural: "vou passar a observar mais".

Na mesma hora, entrou no ônibus uma notável senhora de uns 30 anos, com algumas sacolas de compra e os dois reais da tarifa à mão. Esperou a fila para a roleta, até que sua hora chegou e, após entregar as duas moedas à cobradora, iniciou sua via crucis de meio metro.

Sua largura era sua cruz. O espaço entre a roleta e o vidro, seu calvário. A roleta e o vidro, seus algozes. Lentamente, a mulher levantou suas sacolas para cima da roleta, passou-as para o outro lado, deixou o braço abaixar. Com um pequeno passo a frente, enfiava toda sua saúde naquele espaço mínimo pelo qual precisava passar.

Era necessário que ela se comprimisse. Tratou de encolher a barriga, mas o traseiro era preponderante e não havia jeito de passar se não amassando-o contra o vidro. A medida em que ela passava, só se via aquela abundância hemisférica, literalmente falando, planificando-se contra a superfície polida do vidro, e distorcendo-se diante de meus olhos.

Para não ficar entalada e assim obter um constrangimento inimaginável dentro do coletivo, a moça iniciou um movimento giratório alternado, facilitado por sua roupa de tecido razoavelmente deslizante. Após algumas rodadinhas que deslocaram a roleta, foi possível que a senhora por ela passasse, triunfante, e alcançasse o não tão espaçoso corredor do ônibus, numa cena que facilmente comportaria como trilha sonora Chariots of Fire, do grande Vangelis.


Esse caso ilustra uma das muitas dificuldades que a população de grande inércia - ou com ela mal distribuída - enfrenta diariamente. São passagens estreitas, poltronas de cinema subdimensionadas, olhares asquerosos, roupas que dificilmente caem bem, cadeiras de plástico que se espatifam,...
Sem falar na constante pressão que os gordinhos sofrem por conta do bombardeio midiático em cima do corpo escultural, magro, perfeito, simbolizado por beldades de uma finura que chega a ser patológica.

O contexto não é favorável aos gordinhos. Paradoxalmente, o tamanho notável lhes é aviltante, torna-os menores. Marginalizados, alguns muitas vezes recorrem a soluções aparentemente milagrosas, que inundam a TV com promessas incríveis de rápido emagrecimento. Outros preferem ir ao analista. Outros simplesmente fecham a boca. Outros isolam-se na internet sob a forma de avatares.

Em escala minoritária, estão os menos encucados, que ignoram solenemente o fato de serem gordinhos, e conseguem levar uma vida comum. Há até quem saiba aproveitar de seu tamanho para fazer-se uma figura única, autêntica, destacada dos demais.

Infelizmente, porém, os que sabem lidar com os alguns (ou muitos) quilos a mais são poucos. A maioria ainda se incomoda bastante com isso. Assim, podem acabar por relegar a segundo plano aspectos do ser realmente importantes.

Aspectos do ser realmente importantes. Sim, são aqueles que quase sempre são invisíveis aos olhos. Aqueles que só o coração percebe. Aqueles que garantem uma amizade, um casamento, um carinho, um amor, uma vida, e não podem ser quantificados, muito menos por balanças mal-aferidas, pessimistas e repressoras.


(Ouvindo: Muse - Sing for Absolution)

9 comentários:

Ligia disse...

É por isso que eu digo: O que importa - de fato - é o interior!

Aline disse...

ahekueahuake

pior q eh verdade, cara...

falando em ônibus... eh maior absurdo colocar a entrada pela frente... pq a gente tem que andar ao contrário do ônibus... eh desafiar as leis da física... ahha

bjaaaum , garooooooto

Ana Carolina Andorinho disse...

Exccelente crônica, Drummond! Adorei! "sua largura era sua cruz." - Muito boa! Valeu pelo texto inteiro!
Beijos

anna cristina disse...

absurdamente bem escrita, dru =) o mundo parece já estar condicionado a desrespeitar, de todas as maneiras possiveis, que está acima do peso... adorei a cronica! bjos

Caronte disse...

Eu, na condição de ex-gordo, tenho raiva dos gordos mesmo.
Tenho dito!
Pronto, falei! E acabou a amizade! :p

Tá, não tenho raiva dos gordos, mas falta a eles, na grande maioria das vezes (pra evitar a discussão, enfadonha e sem sentido de que existem problemas de saúde que podem dificultar a perda de peso.) vergonha na cara, disciplina e amor próprio. Afinal, sem pensar em termos estéticos é sabido que o excesso de gordura, principalmente na região abdominal, é forte fator de risco para doenças coronarianas. Além disso, o sobrepeso faz mal às articulações e atrapalha a vida da pessoa, que fica com menos disposição e mobilidade.

Claro que poderia discorrer sobre o tema inverso também e meter o pau na ditadura da magreza (que eu aliás detesto. Me mande escolher entre uma anoréxica dessas e uma gorda que a gorda ganha todo dia da semana e duas vezes aos domingos).

No final das contas, gostei da crônica. Só achei pouco contundente na critica em relação aos gordos, pq, no final das contas, eles não são somente vítimas.
Abraços.

Caronte disse...

Ah sim, tinha esquecido. O mais importante está no final. É cliché demais, mas é a mais pura verdade. :)

Abraços.

gabriel disse...

pai leke muito bom esse post. você criou mto bem a imagem da mulher passando na roleta. eu consegui ver a coisa toda acontecendo
ahiuahiuahiuahua. mto bom mesmo

abraço ae

Julia disse...

Po Aline tem razao na parada da entrada do onibus pela frente =P
-----
Eu acho q realmente na sociedade em q vivemos os gordos sao discriminados...mas se pensarmos por um lado...em tudo tem q haver um padrao...nao ha como fazer tudo q possa alegrar a todos...entao vamos favorecer a maioria..e a maioria é pra ser magra...por exemplo nos estados unidos onde agora ha mts pessoas gordas as coisas começaram a se adaptar para os gordos tbm terem acesso...
Porém além das coisas serem feitas pro geral...os mais gordos..q nao conseguem nem passar na roleta do onibus...tem q se cuidar ateh pela questao da saude...e não se precisa ser magro de voar neh...mas ha como manter um peso de acordo com os padroes da sociedade e da saude.
Bjão meu amor ;*

Anônimo disse...

adorei o texto :)