GUIA DE LEITURA

Se você me perguntasse quais textos ler, eu diria para CLICAR AQUI e achar uns 20 e poucos que eu classifiquei como os melhores. Mas vão alguns de que eu particularmente gosto (e que fizeram algum sucesso):

Caritas et scientia
(as saudades da minha escola)
A-Ventura de Novembro
(o retrato de um coração partido)
Vigília
(os sonhos nos enganam...)
Sairei para a boate e encontrarei o amor da minha vida
(ou "elucubrações esperançosas")
(a afeição por desconhecidos)
A tentação de Mãe Valéria
(trago a pessoa amada em três dias)
A nostalgia do que não tive
(a nostalgia do que não tive)

quarta-feira, 9 de agosto de 2006

Sofrer por antecedência

Quando o limite entre o poder ser e o de fato ser é inconscientemente desprezado.


Começarei exagerando:

Quem nunca se desesperou com a simples expectativa de vir a morrer?

Não é preciso ir tão longe (ou tão perto, como diriam os mais pessimistas ou, mesmo paradoxalmente, os que estão de bem com a vida e com a morte), basta imaginar-se estar diante de uma situação de difícil de resolução que o espírito murídeo (sim, eu estou de sacanagem, vão procurar no dicionário o que é isso) rapidamente baixa e lá se vão as unhas.

As más expectativas nos desesperam, nos enervam e fazem com que pensemos na sucessão de más fatos que decorrerão do primeiro azar. E, pior, acabamos sentindo de fato as sensações que antes apenas imaginávamos. É pensar em estar triste e aí ficar triste.

Sofrer por antecedência muitas vezes nos consome as forças para lutar contra a realidade que está por vir. É gastar tinta demais pra pintar o diabo maior do que ele é.

Por outro lado, há quem sabe lidar com esse sofrimento antecipado e o usa para obter alívio, nos moldes do que eu descrevi no post Ufa!, escrito anteriormente para esse blog. Eu explico: fulaninho sofre, descabela-se, imagina-se na pior das situações, mas nem por isso se deixa abater e, no final, contorna triunfantemente o problema apenas para poder sentir-se aliviado e vencedor da grandiosa batalha. Um tanto wannabe vítima-coitado e também masoquista, não?

Aliás, em relação a tudo isso cabe um belo provérbio que certa vez li em um fórum de jogos e nunca mais me saiu da cabeça:

"Não sabendo que era impossível, ele foi lá e fez"


Grande abraço,
Felipe Drummond

PS: Perdoem-me pelo atraso em postar novas mensagens. Aconteceu que as aulas recomeçaram, a preguiça voltou, certas coisas boas me aconteceram e, de certa maneira, elas me impedem de pensar nas questões bastante profundas. Como disse Clarisse Lispector, é a "leve embriaguez do amor".

(Ouvindo: Franz Ferdinand- Walk Away)

7 comentários:

Julia disse...

Puxa...meu tema de filosofia foi sofrimento na ultima aula e agora td mundo resolveu falar disso =P..
Eh verdade td mundo sofre por antecedencia e isso acaba as vezes piorando a situaçao...Até pq mts vezes não se pode saber se realmente havera sofrimento..mas por outro lado a pessoa se prepara para o pior e nao sofre tanto dps =P ..Isso tudo eh mt relativo...to com priguiça de pegar o dicionario =PPP ahuahua
-----
Te amo mt pénho ;* essas ultimas semanas foram otimas (L)

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ligia disse...

Eu conheço uma frase que diz mais ou menos o mesmo do provérbio que vc citou: "Alguma coisa só é impossível até que alguém prove o contrário."
:)

E quanto ao... "certas coisas boas me aconteceram e, de certa maneira, elas me impedem de pensar nas questões bastante profundas. Como disse Clarisse Lispector, é a "leve embriaguez do amor". " eu só tenho a falar mais uma vez que vocês são super tchutchucos juntos :)

mitidieri disse...

qq seria essa palavra
dicionário nem rola agora
hahahaha
mas cara eh verdade
mts situações desesperadoras mostram os verdadeiros vencedores
e os "losers" hahahahahah
abraço

João Manoel disse...

Você realmente só escreve verdades. Isso vem de uma análise do seu cotidiano ou é fruto de longas tardes pensando e/ou filosofando?

E falando do - ohh - amor, parabéns, meu caro colega. Que vocês seja muito felizes e não sofram nunca juntos, de jeito algum!

Marco Túlio disse...

um caso bem comum é aquele aluno agostiniano que desde o primeiro bimestre já pensa na possibilidade de repetir o ano... vai dizer que isso não é irritante?

procurei no dicionário, mas não achei essa palavra, hauhauahauhua, de onde vc tirou essa???

Antonio Pedro disse...

leve embriaguez do amor ??????no seu caso,a embriaguez tá pesada =P....vlw cambojano