GUIA DE LEITURA

Se você me perguntasse quais textos ler, eu diria para CLICAR AQUI e achar uns 20 e poucos que eu classifiquei como os melhores. Mas vão alguns de que eu particularmente gosto (e que fizeram algum sucesso):

Caritas et scientia
(as saudades da minha escola)
A-Ventura de Novembro
(o retrato de um coração partido)
Vigília
(os sonhos nos enganam...)
Sairei para a boate e encontrarei o amor da minha vida
(ou "elucubrações esperançosas")
(a afeição por desconhecidos)
A tentação de Mãe Valéria
(trago a pessoa amada em três dias)
A nostalgia do que não tive
(a nostalgia do que não tive)

sábado, 3 de outubro de 2009

cortar as unhas

Percebo que está tudo muito corrido na vida quando eu vou cortar as unhas e elas estão grandes, mas parece que foi logo ontem que eu as cortei pela última vez.
Explico e é fácil de entender: cortar as unhas é um momento de reflexão, igual à hora em que se fica debaixo do chuveiro,  ao lapso em que se coçam as costas ou ao ínterim ("vareia" de um segundo a algumas horas", vide o que eu escrevi sobre insônia) entre encostar a cabeça no travesseiro e efetivamente dormir.
Cortar as unhas é mais do que um ato de higiene. É um ato de auto-preservação e, também, de preservação alheia. Você destrói uma de suas armas, tolhe suas garras em nome de o tiro não sair pela culatra.
Cortar as unhas é um ato de auto-conhecimento. E não é a toa que as manicures têm seu lado psicóloga...

9 comentários:

Ana Luiza F. Calil disse...

engraçado que hoje mais cedo eu fiz uma ligeira crítica aos seus textos, mas achei esse bem interessante! é engraçado notar a passagem do tempo por meio de outras perspectivas...

ps: a propósito, é inegável que seu blog é bem mais bonito e desenvlvido que o meu =/

Julia Leal disse...

Realmente, quando eu vou fazer as unhas eu tiro esse tempo do meu dia e é relaxante huahuahu... Uma meditação =P

.luísa pollo disse...

As manicures são "psicólogas" por ouvirem as histórias de diferentes clientes. Nada tem a ver com sua capacidade de corta as unhas ao mesmo tempo.
Mas concordo, cortas as unhas, por ser algo natural e necessário do homem, o faz pensar em outras coisas da vida alheia.
É um momento em que você não pensa exatamente no desenho das unhas, mas no desenho que a sua vida está se transformando. As minhas, por esse motivo, muitas vezes ficam tortas.
E as suas?

Jester disse...

Cortar as unhas, cortar os cabelos, fazer supermercado, comer, dormir, trabalhar, estudar. Sempre a mesma rotina enquanto o tempo passa ligeiro. Será que algum dia isso fará mesmo alguma falta?

As Flores e Eu disse...

Acho que tudo na vida nos remete a uma reflexão, basta que queiramos que assim seja, mas o fato de tomar banho, cortar as unhas, é mais pessoal, pois é um momento que tiramos para nós mesmos.
Gosto disso, de pessoas que são capazes de ver poesia em qualquer coisa, em qualquer situação.
Gosto muito dos seus textos.
¥

tocqueville-morse disse...

q história é essa de manicure seu drummond? xDDDDDDDDDDDDD

Tati Martins disse...

Oi, Drummond!
Tem um selo para vc lá no meu blog.
Beijinhos

Palatus disse...

Faz tempo que não venho aqui...agora não tenho desculpas de ter perdido o endereço. Anexei-o ao Palatus.

Gostei do post sobre as unhas...de fato, minhas unhas são meu higienômetro. Quando eu percebo que elas estão se saindo, descubro que estou me dedicando mais ao trabalho e aos outro do que de mim mesmo...daí eu desacelero meu ritmo!
Inté mais vê!
Nilson

Terra disse...

Excelente reflexão! Adoro essas pequenas simbologias do cotidiano. Talvez a sensibilidade feminina seja engendrada justo na vaidade e apascentada também nesse ato de cortar as unhas, que lhe é tão mais frequente. Vide as estatísticas de comentaristas daqui.

É à la carte este blog? Eu pediria um texto sobre limpar o umbigo.